Apocalipse

DE  JOÃO

 

Autor: João                                      Tema: Consumação           Escrito em: cerca de 95 A.D.

 

O APOCALIPSE, o livro final das Escrituras, desvenda os grandes acontecimentos do encerramento da história, inclusive a revelação de Jesus Cristo em Seu segundo advento. É um livro que, creio eu, foi ditado pelo próprio Senhor Jesus. Não foi escrito como os outros apenas sob inspiração, mas o próprio Jesus o revelou a João, seu servo. A palavra "apocalipse", usada como título do livro, vem do grego  apokalupsis, que significa revelação daquilo que estava anteriormente escondido ou que era desconhecido.

            No desdobramento deste tema central, Jesus Cristo é revelado na glória em contraste com a Sua apresentação, nos quatros Evangélicos, na Sua humilhação. No apocalipse, Jesus Cristo é apresentado relacionado com o tempo como Aquele "que é, que era e que há de vir" (1:4). Ele está relacionado com a Igreja (1:9 - 3:22), a tribulação (4:1 - 19:21), o reino milenial (20:1-10), e o estado eterno (20:11 - 22:21).

            Cristo é apresentado neste livro como Soberano dos reis da terra (1:5), o Esposo e a Cabeça da Igreja (2:1 - 3:22; 19:7-9), o Leão da tribo de Judá (5:5), o Cordeiro que foi morto (5:6, 12, etc.), o Sumo Sacerdote (8:3-6) e o Rei e Juiz (19:11 - 20:15).

            O livro é um registro do que o Apóstolo João viu e ouviu. Há um uso constante de símbolos. Referências aos acontecimentos do V.T. e suas profecias são abundantes. Podem notar-se mudanças de local da terra para o céu e de volta à terra. É uma narrativa do juízo divino e do conflito que varre todo o mundo.

            As três principais divisões do Apocalipse devem ser reconhecidas. João recebeu ordem em 1:19 de escrever sobre 1) as coisas passadas, "as cousas que viste", isto é, a visão de Patmos (1:1-20); 2) as coisas presentes, "as que são" , isto é, as igrejas existentes (2:1 - 3:22); e 3) as coisas futuras, "as que hão de acontecer depois destas", isto é, os acontecimentos depois da Dispensação da Igreja (4:1 - 22:5). É importante observar que, começando com o cap. 4, o livro apresenta acontecimentos futuros.

            A terceira divisão importante do Apocalipse (4:1 - 22:21) caracteriza-se pela série dos sete: sete selos (4:1 - 8:1), sete trombetas (8:2 - 11:19), sete taças (15:1 - 16:21), sete flagelos (17:1 - 20:15), e sete coisas novas ( 21:1 - 22:21). Importantes passagens que são parentéticas, suplementares ou corretivas podem ser observadas, tais como remasnecente judeu e os santos da tribulação (7:1-17); o anjo, o livrinho e as duas testemunhas (10:1 - 11:14); o Cordeiro, o remanescente do Armagedom (16:13-16); e as quatro aleluias no céu (19:1-6). Estas passagens não têm seqüência de narrativa profética, mas, indo para trás e para frente, resume o passado e antecipam o futuro. A ordem narrativa é, portanto, cronologicamente inconsistente. A principal continuidade é fornecida pelos acontecimentos simbolizados nos selos, nas trombetas e nas taças.

            O propósito principal do livro é fornecer o cenário da revelação de Jesus Cristo. Destaca-se principalmente o período da tribulação (caps. 4-19), que se crê coincidir com a septuagésima semana de Daniel (Dn. 9:24-27). A grande tribulação, a última metade da "semana" é o que se apresenta especialmente. O climax do livro começa com a revelação do Senhor Jesus Cristo no cap. 19.

            O livro pode ser assim dividido: Introdução, 11-3. I. As mensagens do Senhor às setes igrejas após a ascensão, 1:4 - 3:22. II. A abertura do rolo com os sete selos, 4-6; 8:1. III. Parêntesis: judeus e gentios salvos durante a Tribulação, 7. IV. As sete trombetas: os juízos, 8:2 - 9:21; 11:15-19. V. Parêntesis, 10:1 - 11:14. VI. Personagens notáveis, 12.  VII. O surgimento e o reinado da besta e do falso profeta, 13. VIII. Parêntesis, 14. IX. As sete taças com os flagedos, 15-16. X. O destino da Babilônia, 17-18. XI. A batalha do Armagedom e o Milênio a seguir, 19:1 - 20:6.  XII. O juízo final e a Cidade Santa, 20:7 - 22:5. XIII. A última mensagem da Bíblia, 22:6-19. Conclusão, 22:20-21.

 

Visão dos versículos

 

(1:8)  Alfa e Ômega, mencionados também em Ap. 21:6 e 22:13, são a primeira e a última letra do alfabeto grego.

(1:9)  Em 1:1-20 João vê uma visão do Cristo ressuscitado no meio dos sete candelabros de ouro. De 2:1 - 3:22 em diante ele registra as mensagens de nosso Senhor às sete igrejas na Ásia romana. Em 4:1-2 o apóstolo é arrebatado "no espírito" para o céu, de onde ele observa as coisas futuras no céu e sobre a terra conforme registrado a partir de 4:1 - 22:5.

Escreva para o Pastor Pedro

pastorpedro@terra.com.br

pedrosn@hotmail.com